Working Paper in Economic and Social History
nº.1 February 2017

Luciano Amaral

A Monetary Plethora and what to do with it: the Bank of Portugal during World War II and the Post-War Period (1939-1960)

Nova School of Business and Economics
Lisbon, Portugal

Ler o Working Paper >

Resumo

O Banco de Portugal (BdP) estava longe de possuir, até à II Guerra Mundial, as características normalmente associadas aos bancos centrais. Era ainda um banco comercial, embora já tivesse adquirido algumas funções típicas dos bancos centrais. O período da II Guerra Mundial foi decisivo para mudar esta ambiguidade. A mudança foi essencialmente causada pela entrada de grande quantidade de meios internacionais de pagamento (ouro e divisas), como consequência da neutralidade portuguesa durante a guerra, algo que permitiu ao banco transformar o seu balanço: o BdP especializou‐se então na centralização das reservas dos bancos comerciais. Contudo, tudo isto aconteceu durante um período bastante perturbador para o BdP. O banco tinha sido reformado para funcionar como administrador do escudo no padrão divisas‐ouro. Mas o padrão divisas‐ouro entrou em colapso passados apenas uns meses sobre a reforma. O BdP adaptou‐se rapidamente ao novo ambiente de discrição, de interferências governamentais e de nacionalismo. Mas fê‐lo de uma forma relativamente original: acompanhou a tendência mas manteve ao mesmo tempo certas características de um banco central ainda ligado aos princípios do padrão ouro. Isto foi visível tanto durante a II Guerra Mundial como no pós‐guerra.